Amada, Divina Mãe Maria também é Padroeira das Fadas.

Clique aqui para comentar esta publicação


Amada, Divina Mãe Maria também é Padroeira das Fadas.

TERRITÓRIO DAS FADAS



Entre os latinos, os celtas, os germanos, e romanos, as divindades da natureza e dos elementos eram chamados de "genius loci", o "gênio do local".

Os altares e templos consagrados as ninfas, as ondinas e aos silfos não eram edificados em qualquer parte, e sim em determinados locais precisos. Do mesmo modo, as cidades se construíam em territórios eleitos entre todos pelas qualidades dos "espíritos dos lugares" que habitavam neles.

Os antigos temiam os poderes das fadas, do mesmo modo que se maravilhavam com eles. Assim, os camponeses e pastores nunca se aventuravam no interior de grutas construídas por fadas sem praticar uma oferenda aos gênios do local. Essa oferenda podia resumir-se em um pequeno galho de determinada árvore, um pedaço de pão ou algumas gotas de leite. Acompanhando a oferenda, devia ser feito um voto, para ganhar a confiança delas.

Muitas dessas grutas existiam, como: as grutas druídicas de Plombières; a "Cova das fadas", na cercania das ruínas do castelo de Urfè; entre outras.

Corneille de Kempen nos assegura que, nos tempos de Lotario, havia em Frisia numerosas fadas que moravam em cavernas, em torno das montanhas, e que só saíam com a luz da lua. Olaus Magnus disse que se viam muitas na Suécia em seu tempo: "Têm por morada grutas escuras no mais profundo dos bosques; as vezes me mostram, falam para aqueles que as consultam e desaparecem subitamente."


As colinas, os túmulos e as pedras druídicas também são consideradas obras das "boas damas".
A alguns quilômetros de Blois, entre Pont-Leroy e Thenay, se observa uma "Pedra da meia-noite" que, ao que parece, gira sobre si mesma todos os anos na noite de Natal. Perto de Tours existe outra pedra giratória; se diz que as fadas a depositaram ali sustentando-a com a ponta dos dedos.

Supunha-se que os menires (pedras sagradas) atraíam as fadas, que dançavam ao seu redor durante noites inteiras, a maneira das sacerdotisas celtas das quais eram descendentes.

Também se contava, no norte da Europa, que as fadas se reuniam a noite em torno das pedras sagradas com instrumentos musicais fabulosos para interpretar uma dança chamada "chorea Elvarum", a "Dança dos Elfos". Mas as fadas detestavam ser observadas durante esses festejos e ao menor ruído desapareciam em uma fração de segundos.
http://3.bp.blogspot.com/_DtdWznfyuxg/TARr5KvgQDI/AAAAAAAAARI/dKVdSJNc8c8/S1600-R/ilian+rachov+ikon+the+holy+mary+with+jesus-1.jpg
CRUZADA CONTRA AS FADAS

Quando se produz a expansão do cristianismo, todos os altares consagrados aos gênios locais, aos deuses campestres, aos elfos e as fadas, assim como os cultos à eles celebrados, foram em primeiro momento condenados e proibidos pelo clero.

No vigésimo terceiro concílio de Arles, que se celebrou em 442, proibiu o culto das árvores, das pedras e das fontes. Essas proibições foram repetidas por concílios posteriores, como o Tours, em 567, o Leptines, em 743.


Um capitulo de Aquisgrás, escrito no ano de 789, qualificou de sacrílegos todos os pagãos que seguiam acendendo fogueiras a noite perto das árvores, dos menires e das fontes, em homenagem as entidades feéricas. As leis de Luitprand renovaram a proibição.

Entretanto, todas essas medidas resultaram ineficazes. O povo, por muitos séculos, continuou desafiando as proibições para ir render homenagem ao pequeno povo das fadas.
Por isso, os clérigos pouco a pouco se viram obrigados a reconverter esses templos pagãos em lugares em culto cristãos.

A maioria dos centros cristãos importantes foram edificados em antigos lugares de cultos pagãos. Assim, o monte Tombe, antigo lugar de peregrinação celta, foi transformado em Mont-Saint-Michel. A catedral de Paris se elevou sobre um antigo templo galês consagrado a Lug, o Deus da Luz. E os altares campestres, as árvores sagradas, as cavernas habitadas por fadas foram convertidos em lugares de adoração da Virgem Maria, que por essa razão, se converteu a padroeira das fadas. Alguns afirmam inclusive, que um bom número de milagres ou aparições que tiveram lugar nesses antigos lugares pagãos, não eram, senão manifestações das fadas.

A crença nas fadas, não se opõe em nada a crença cristã, ao contrário, a anuncia em muitos pontos. Recordemos, por exemplo, a importância do número três nas manifestações feéricas.
O três é igualmente símbolo da Trindade cristã. As Igrejas cristãs primitivas o compreendiam perfeitamente: assim, se pode ver na Grécia um ícone ortodoxo em que Cristo aparece com criaturas aladas que se parecem tanto com os elfos como os anjos.

Foi a imagem da Virgem Maria que os sacerdotes colocaram em cima das árvores sagradas.
O velho carvalho de Loupe, parece ter sido um desses antigos monumentos de culto druídico metamorfoseado pela religião cristã, pois hoje em dia o chamam de carvalho da boa Virgem.
Os dolmens foram transformados em calvários; as fontes mágicas e os grandes carvalhos dos druidas foram consagrados a Virgem, e as plantas e ervas medicinais de virtudes maravilhosas,
que as bruxas iam colher a luz da lua, foram colocadas debaixo do patrocínio dos santos.
Mas, por baixo do manto da religião, as fadas continuaram a exercer sua função de madrinhas dos homens.
Os sete regozijos de Maria

O primeiro regozijo que Maria teve
Foi a primeira alegria
A primeira alegria que Maria teve
Foi ver seu Filho nascer

Ver o seu filho nascer, meu bom homem
E pode abençoá-lo
Honras ao Pai, Filho e Espírito Santo
Para toda a Eternidade
O próximo regozijo que Maria teve
Foi a segunda alegria
Ver seu Filho Jesus
Fazer um coxo andar

O próximo regozijo que Maria teve
Foi a terceira Alegria
Ver seu Filho Jesus
Fazer um cego enxergar

Fazer um cego enxergar, meu bom homem
E pode abençoa-lo
Honras ao Paim Filho e Espírito Santo
Para toda a Eternidade

O proximo regozijo de Nossa Senhora
Foi a quarta alegria
Foi ver o seu Amado filho Jesus
terminar de ler todas as Escrituras

O próximo regozijo que Maria teve
Foi a quinta alegria
Ver seu Filho Jesus
Trazer um morto á vida

Trazer um morto à vida, meu bom homem
E pode abençoá-lo
Honras ao Pai, Filho e Espírito Santo
Para toda a Eternidade

O próximo regozijo de Nossa Senhora
Foi a sexta alegria
Ver seu Filho Jesus
Sobrepujar a Cruz

O próximo regozijo que Maria teve
Foi a sétima alegria
Ver seu Filho Jesus
Tomar a Coroa do Paraíso

Tomar a Coroa do Paraíso, meu bom homem
E pode abençoá-lo
Honras ao Pai, Filho e Espírito Santo
Para toda a Eternidade

E em Glória ele está
E abençoada Ela agora está
E todos aqueles que cantam os sete longos versos
Em honra a Nossa Senhora

L / Loreena McKennitt / The Seven Rejoices of Mary (tradução)

Loreena McKennitt

The Seven Rejoices of Mary (tradução)







The Seven Rejoices of Mary
Loreena McKennitt

The first good joy that Mary had
It was the joy of one.
The first rejoice that Mary had
Was to see her new born son.

To see her new born son good man,
And blessed may he be.
Sing Father, Son and Holy Ghost,
To all eternity.
The next good joy that Mary had
It was the joy of two.
To see her son Jesus,
Make the lame to go.

The next rejoice that Mary had,
It was the joy of three.
To see her own son Jesus,
To make the blind to see.

To make the blind to see good man,
And blessed may he be.
Sing Father, Son and Holy Ghost,
To all eternity.

The next good joy our lady had,
It was the joy of four.
It was the rejoice of her dear son,
When he read the bible o'er.

The next good joy that Mary had,
It was the joy of five.
To see her own son Jesus,
To make the dead alive.

To make the dead alive good man,
And blessed may he be.
Sing Father, Son and Holy Ghost,
To all eternity.

The next rejoice our lady had,
It was the rejoice of six.
To see her own son Jesus,
To bear the crucifix.

The next good joy that Mary had,
It was the joy of seven.
To see her own son Jesus,
To wear the crown of heaven.

To wear the crown of heaven good man,
And blessed may he be.
Sing Father, Son and Holy Ghost,
To all eternity.

And glory may he be,
And blessed now be she.
And those who sing the seven long verses,
In honour of our lady.




 
 

Gostou? Compartilhe esta publicação nas redes sociais

0 comentários:

Postar um comentário